O metodo para manter a sua testosterona focando na sua virilidade

Seus pensamentos podem adoecer o coração; entenda como

calendarPublicação: 20/09/2021- Última atualização: 21/09/2021
clock4min
Seus pensamentos podem adoecer o coração; entenda como
Leonardo Amaro
Leonardo Amaro

Redação Infovital

Existe uma relação muito forte entre a mente e o coração; casos de doenças cardíacas psicossomáticas são extremamente comuns, segundo especialista

Entender que corpo e mente não atuam separadamente é fundamental para cuidar da saúde. A medicina integrativa, defendida pelos especialistas da Jolivi Natural Health, tem essa premissa como princípio, inclusive.

Doenças psicossomáticas são aquelas causadas por transtornos psicológicos. Elas começam na mente e se manifestam no corpo. Quando surgem sintomas físicos, a conclusão mais comum é de que algo esteja errado naquela parte específica, mas é possível que sejam só a ponta do iceberg.

Os problemas no sistema cardiovascular, liderado pelo coração, são frequentemente associados ao consumo excessivo de sódio, sedentarismo, obesidade e tabagismo — o que está longe de ser um engano. Porém, a origem das doenças e dos próprios hábitos citados, também pode vir de onde não enxergamos, mas sentimos: as emoções.

“As emoções sempre afetam o coração porque a adrenalina gerada faz a pressão subir e o coração acelerar. Isso sobrecarrega o órgão e com o tempo pode gerar problemas”, afirma o cardiologista e psicanalista Dr. Pedro Cazzador.

A adrenalina, mencionada pelo novo especialista da Jolivi Natural Health, foi objeto de um estudo publicado no Journal of Cardiovascular Pharmacology.

Os cientistas aplicaram o hormônio em um grupo de ratos, com doses de liberação lenta, e mantiveram outro grupo sem as doses, para comparação. Após oito semanas, os ratos tratados com adrenalina apresentaram pressão arterial mais elevada que a dos ratos que não receberam a dose.

Fatores psicológicos atingem o corpo em diferentes níveis

Segundo o Dr. Pedro, de modo geral, as doenças — especialmente as do coração — podem ser classificadas das seguintes formas:

  • de origem psicossomática unicamente;
  • de origem psicossomática, mas que com o tempo gera um distúrbio físico;
  • de origem física, mas com forte componente psíquico agravante associado ;

Para o cardiologista, as doenças de origem física sem componente psíquico associado não existem. Ele ainda acrescenta que “os casos de doenças psicossomáticas são extremamente comuns, talvez até mais do que as doenças orgânicas”.

O diagnóstico dessas doenças é feito por exclusão. “Quando existe um quadro clínico sugestivo, deve-se afastar, primeiramente, a possibilidade de uma causa orgânica através de exames”, explica o especialista.

Além da hipertensão, outros sintomas causados por fatores psicológicos são palpitações, dores, tremores, suor frio e taquicardia.

Saúde mental preocupa em qualquer fase da vida

“Se você não mudar o estilo de vida, pode desenvolver uma doença arterial coronária, ou até mesmo ter um infarto”.

Ouvir essas palavras de um médico foi um choque, principalmente pelo fato de ter 16 anos de idade. Foi o caso de Davy Alves, que sofria com dores no peito, falta de ar, náuseas e taquicardia. 

Em alguns casos, chegava até a desmaiar. “Eu apagava e acordava no hospital, tomando soro na veia. Era um processo torturante”, relata Davy.

Com transtorno de ansiedade, na época tinha crises cada vez mais constantes, mas o seu cardiologista atrelava os sintomas ao estresse do dia a dia. Somente em consulta com outro profissional, recomendada pelo terapeuta, que a relação entre ansiedade e o coração foi apontada — e ouviu aquele diagnóstico.

Ele teve que reduzir as atividades que realizava diariamente. Sua rotina era tomada pelos estudos, na fase final da escola e nos cursos extracurriculares. Afinal, o período de vestibulares costuma ser turbulento para muitos jovens

Atualmente, aos 18 anos, o estudante de psicologia está aprendendo com a ciência a cuidar da própria saúde mental e, futuramente, dos seus pacientes.

Cuidar da cabeça para melhorar o coração

Meditação melhora a saúde mental e cardíaca

Ansiedade, depressão e transtornos pós-traumáticos desencadeiam problemas cardíacos críticos, sendo a ansiedade ainda mais letal que os outros. É o que indica um estudo realizado no Medical University of Graz, na Áustria.

O Dr. Pedro Cazzador alerta que a melhor maneira de prevenir eventuais problemas é com práticas saudáveis, não só do ponto de vista físico, mas também no aspecto mental. Ele indica alguns pontos que influenciam positivamente na saúde mental e cardíaca:

  • Sono regulado;
  • Atividade física;
  • Interação social;
  • Contato com arte e música;
  • Meditação, ioga, acupuntura e tai-chi;
  • Reforço da espiritualidade.

CTA: Jolivi lança workshop gratuito sobre saúde cardíaca. O evento será comandado pelo cardiologista Dr. Pedro Cazzador

*Sob supervisão de Monique Garcia

Referências:

  • Majewski, H et al. “Adrenaline-induced hypertension in rats.” Journal of cardiovascular pharmacology vol. 3,1 (1981): 179-85. doi:10.1097/00005344-198101000-00016
  • Kapfhammer, Hans-Peter. “Der zusammenhang von depression, angst und herzerkrankung – eine psychosomatische herausforderung” [The relationship between depression, anxiety and heart disease – a psychosomatic challenge]. Psychiatria Danubina vol. 23,4 (2011): 412-24.
Leonardo Amaro
Leonardo Amaro

Redação Infovital

O Mineral que abaixa a glicemia
Suplemento de oleo de peixe com vitamina e em capsulas